Mortos em Combate

Homenagem aos que tombaram em Combate, e um dia gritaram "RANGER"...

"Dai-nos, Senhor, tudo aquilo que nunca Vos é pedido.
Não Vos pedimos o descanso
nem a tranquilidade do corpo
nem tão pouco a do espírito.
Não Vos pedimos a riqueza,
nem o êxito e as honrarias
nem sequer o reconhecimento
dos homens.
De tudo isto, que insistemente Vos pedem, talvez
quase nada já
Vos reste
Dai-nos, pois, ó Deus, o que ninguém quer, o que
todos rejeitam:
A insegurança, a incomodidade,
a inquietude, a tormenta e o risco.
A vereda estreita e agreste que
vai até Vós.
Concedei-nos isto, nós Vos suplicamos,
definitivamente, porque a fraqueza,
fruto do egoísmo humano que em nós existe, talvez
nos tire a coragem de o
solicitar de novo.
Dai-nos, Senhor, o que Vos sobra, aquilo que
ninguém quer nem sequer Vos
pedem, mas, dai-nos, ao mesmo tempo, o valor, a
vontade, a força e a fé
que temperam a alma do soldado
na grandeza da sua servidão.
Por último, Vos rogamos, ó Senhor, por aqueles que,
de entre nós, em todos
os tempos, caíram no Campo da Honra e derramaram
o seu sangue pela
Independência e Liberdade da Pátria.
Nós Vos pedimos, ó Deus dos Exércitos, que, no
Vosso Seio, repousem na
paz eterna as almas destes bravos."

 

(A Prece de Operações Especiais foi introduzida em 1990 nas Cerimónias de Homenagem aos seus Mortos em Combate, pelo Coronel António Feijó de Andrade Gomes, numa adaptação de um poema do General Douglas MacArthur; esta compilação foi efectuada pela AOE sob autorização do proprietário e do autor, e todos os seus direitos são reservados)

AOE